5 Visões Práticas de Teorias Motivacionais

0
3295

O mundo de gestão é cheio de teorias, teoremas, leis e regras. A cada ano surgem novos gurus que espalham novas superstições. Gestores loucos por soluções e alivio nos seus negócios vão atrás de tudo que parece ajudar e muitas vezes acabam frustrados e repetindo a velha frase

“Na prática, a teoria é diferente.”

Portanto, vamos analisar nesse post as 5 teorias mais faladas de motivação de funcionários e como podem ou não serem aplicadas.

1) Teoria da Pirâmide de Necessidades de Maslow

A TEORIA: A mais famosa e conhecida teoria motivacional é a pirâmide de necessidades. Ela prega que temos uma escala de necessidades partindo das mais básicas e vitais como alimento, repouso. Evoluindo para segurança, carinho, amizade e auto-estima. Concluindo com a realização pessoal de nossos sonhos! Nesta ordem.

NA PRÁTICA: Somos complicados para c….Ninguém segue essa ordem bonitinha e não temos como nos pautar nisso. Tem gente que prefere passar fome para ter um celular mais moderno. Outros que preferem ficar sozinhos em troca da sua auto-realização. Enfim, o lado positivo é que os motivos gerais estão listados nessa pirâmide, mas de maneira alguma ela possui uma ordem!

2) Teoria dos 2 Fatores

A TEORIA: Na teoria dos dois fatores de Herzberg separamos os elementos que motivam as pessoas em dois: os fatores higiênicos e os fatores motivacionais. Basicamente, os fatores higiênicos são aqueles que não geram motivação, mas a sua inexistência causa insatisfação e os fatores motivacionais são aqueles que realmente colocam a pessoa para cima.

NA PRÁTICA: Esses fatores influenciam de maneira desigual as pessoas. Tem gente que considera salário fatore higiênico e outros que consideram motivacionais. Alguns vêem os colegas de trabalho como família e outro não vieram na vida à passeio. Ou seja, é legal conseguir entender o que motiva e o que é simplesmente uma necessidade básica, mas isso provavelmente vai mudar de pessoa para pessoa.

458_03

3) Teoria da Equidade

A TEORIA: A motivação da pessoa está diretamente associada à sua percepção de justiça em relação ao seu esforço e as recompensas obtidas por ele. Logicamente, isso também se aplica à igualdade no tratamento dos funcionários

NA PRÁTICA: Como já dissemos anteriormente, é muito complicado tentar padronizar sentimentos e emoções, sonhos e desejos. No papel, faz muito sentido, mas temos que ter muito cuidado para fazer isso. Muitas empresas acabam simplesmente padronizando o dinheiro oferecido por cargo.

4) Teoria X e Y

A TEORIA: Nesta teoria, colocam-se as pessoas em dois sacos distintos: o X que são as pessoas preguiçosas e que não querem responsabilidades; e as Y que são criativas e proativas. Algumas são boas para trabalhos repetitivos e pouco desafiantes e outras são empreendedoras e devem estar em funções complexas.

NA PRÁTICA: Nem dá para começar a falar sobre isso. Se essa teoria tivesse alguma verdade, qualquer discussão sobre motivação seria simplesmente inútil.

 

t49efce_homer-working2

5) Teoria das Expectativas

A TEORIA: A motivação humana pode ser resumida a uma fórmula onde M = P x E, onde a motivação e resultado da multiplicação entre a probabilidade de uma pessoa alcançar a sua expectativa.

NA PRÁTICA: Novamente, a teoria fica no meio do caminho por tentar simplificar demais algo que nunca poderia ser visto dessa maneira.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorComo Usar uma Planilha de Finanças Pessoais
Próximo artigo5 Passos Para Imprimir Planilhas em Excel
Rafael Ávila
Administrador e turismólogo, apaixonado pelas possibilidades que o Excel dá para gestores, empreendedores e estudantes. É sócio diretor da área de planilhas na LUZ - Planilhas Empresariais (luz.vc) e é o responsável pelo desenvolvimento das mais de 150 planilhas com foco empresarial e pessoal comercializadas em seu site. Também ministra os cursos online de Excel (cursos.luz.vc) e gosta de ajudar milhares de planilheiros por meio do Fórum e Blog da LUZ.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário
Por favor, digite seu nome