A maior referência empreendedora do Brasil

3
992
Ricardo Semler

Na GEC 2013 (conferência global de empreendedorismo que aconteceu no Rio), um dos assuntos mais falado foi a “falta de referências empreendedoras que temos no Brasil”. Isso é algo que ouço sempre. Junto com o discurso “o Brasil será eternamente o país do futuro”, “no Brasil isso não funcionaria” e “aqui a cultura do jeitinho brasileiro não permitira que isso desse certo”, entre outras frases que só servem para nos manter apáticos, a justificativa de que não há pessoas nas quais se inspirar aqui nesse nosso maravilhoso país me fez escrever o post de hoje.

Falta de referências empreendedoras?

Vocês estão brincando comigo? Não fossem os mais do que ignorados e socialmente rebaixados padeiros, donos de banca de jornal e de pequenas fazendas, entre tantos outros, que levam silenciosamente o Brasil à frente acordando na madruga todo dia para a gente beber nosso café quentinho lendo as últimas notícias da semana, não fossem o Lehman, Sicupira e Telles, admirados em todo o mundo por, em resumo, ir de sócios do Banco Garantia a acionistas representativos da AB Inbev, maior cervejaria do mundo, Burger King, Heinz Company, B2W, Lojas Americanas, Blockbuster Brasil e tantas outras, além de iniciativas sociais como Fundação Estudar, o Fundo Gera Venture, entre outros, ainda nos faltaria motivos para reclamar. Esses caras são admiráveis por sua garra e por saberem jogar muito bem o jogo convencional de negócios.

Mas tem um cara que merece ainda mais espaço…

Sobre esses caras você lê nos blogs mais convencionais de empreendedorismo, afinal eles são bons fazendo o que já é feito. Hoje vim falar de um cara que, acredito eu, todo brasileiro deveria conhecer. Muitas vezes em palestras quando começam a perguntar mais sobre a LUZ e outras iniciativas nas quais estou contribuindo, eu falo do Ricardo Semler para embasar algumas decisões que tomamos e que qualquer professor de faculdade que acredita muito nos livros que lê, acha um absurdo. São pouquíssimos os que o conhecem, portanto me vi chamado a vir apresenta-lo para você…

Ricardo Semler nasceu am 1959 e tocando a empresa do pai, a Semco, que faturava US$4 milhões em 1982, chegou em 2003 faturando R$212 milhões. Como se crescer 53x a sua empresa em 21 anos não fosse o bastante, o que mais interessa não é o resultado no qual ele chegou, mas sim como ele chegou lá. Imbuido de um espírito extremamente questionador, aos 21 anos Semler tornou-se presidente da empresa do pai e no seu primeiro dia de trabalho como Presidente, demitiu 60% da diretoria e alta gerência. Ao contrário de seu pai, ele acreditava num sistema mais participativo, decentralizado. Ainda nos anos 80 ele começou a pensar novos produtos na Semco através de um núcleo de inovação tecnológica. Menos de 10 anos depois, 2/3 dos funcionários e dos produtos atuavam em produtos desenhados por esse núcleo. Mas esse era só o começo.

Ainda motivado por sua visão mais humana das empresas, Semler começou a aplicar a Democracia Industrial. Termo cunhado por Pierre-Joseph Proudhon ainda no século XIX, uma indústria democrática descreve ambientes de trabalho industriais onde os funcionários tomam muito mais decisões do que no modelo hierárquico convencional. Alguns exemplos:

1. Na Semco os próprios funcionários fazem seus horários de trabalho (há 30 anos!!! Não vamos ser ingênuos de achar que isso é coisa de empresa tecnológica cool)

2. Lá os funcionários que entrevistam e contratam seus chefes. Não é o gerente que entrevista seus funcionários, mas os funcionários que escolhem seus gerentes.

3. O salário é dado em conjunto. De 6 em 6 meses todos param para ver quanto cada um ganhará. Seis meses depois, sentam na sala todos de novo para conversar e re-definir valores.

4. Lá não há planejamento estratégico ou qualquer termo bélico desses. Acredita-se que a realidade é muito instável e caótica para que possamos encaixa-la num plano mais longo do que 6 meses.

5. Os funcionários escolhem a cor do uniforme, além da cor de suas máquinas e outras coisas do dia a dia.

6. Pra quem viu o filme ali em cima viu que na Semco você pode abrir mão de 10% do seu salário para não trabalhar nas quartas. O programa chama-se “aposente-se um pouco”. Que tal?

Os exemplos vem nas dezenas!

Mas será que isso tudo funciona?

Bom, depende do que você considera “funcionar”, mas eu tenho alguns subsídios para te dar para você tirar suas próprias conclusões. Que a empresa cresceu 53x em pouco mais de 20 anos você já sabe. O que você pode não saber é que durante a complicada era Collor os próprios funcionários resolveram reduzir em 40% os próprios salários (sim, eles tomaram essa decisão sozinhos) já que sabiam que devido a recessão ou alguns teriam que ir embora, ou teriam de arranjar outra forma de trabalhar juntos. Já viu esse tipo de trabalho em equipe na sua empresa? Além disso, após ter contado essa e outras histórias escrevendo o maior bestseller de não-ficção da história do Brasil (Virando a própria mesa), Semler chegou também a escrever um livro chamado “O final de semana de 7 dias: mudando a forma como o trabalho trabalha”, o que já diz algo sobre sua qualidade de vida hoje.

“Ah, tudo bem a empresa parece funcionar mas ele não está fazendo nada ‘pelo mundo'”, você pode estar pensando. Em 1990 Semler foi pro lado da educação e fundou a escola Lumiar em São Paulo que desafia qualquer conceito que você tenha de aprendizagem. Quer ver o que ele tem a falar de educação? Segue abaixo um belo discurso sobre educação em Curitiba

Em tempos de mobilização social, quando estamos parando para pensar para onde devemos ir e quem são nossas referências, é importante refletir sobre o tema antes de sair falando. Se você não conhecia o Semler e quer fazer uma empresa diferente, leia um de seus livros, o negócio é bom mesmo! Até semana que vem! 🙂

Obs: Lá em cima e no título eu botei “o maior empreendedor do Brasil” ou coisa parecida. Sinceramente não acredito hoje em maior e menor, até porque isso gera dualismo, o que trouxe a humanidade para esse nível de separação e não identificação que nos encontramos. Peço que entenda apenas como uma forma de chamar sua atenção para um homem que vale ser conhecido 🙂

Obs2: Gostou? Quer mais? Filmes maneiros dele seguem abaixo

COMPARTILHAR
Artigo anteriorUpselling em Uma História
Próximo artigo5 exemplos de precificação para seu negócio
Leandro Borges
Leandro começou a vida profissional prestando consultorias centenas de pequenas empresas em todo o Brasil e foi professor em instituições como SEBRAE, Vale, Souza Cruz, FIRJAN, COPPE e FGV. Hoje, é encantado pelas facilidades que o Excel traz para a gestão empresarial e quer levar essa maravilha para o Brasil e o Mundo!

3 COMENTÁRIOS

  1. Guilherme, nunca mais leio seus posts!

    Já vi mais de 30 vídeos do Ricardo Semler, fora muitos posts nos quais chego por sinergia e estou esperando três livros dele chegarem! Finalmente estou escutando alguém com um discurso sobre os processos de negócio que faz sentido!

    Na Mainô, em nossas reuniões semanais de equipe, sempre discutimos em grupo onde estamos acertando, onde estamos errando e o pessoal sugere ações para melhorar a empresa que decidimos adotar ali na hora, em conjunto. Fazíamos isso meio que instintivamente. Ver um empreendedor com um sucesso inquestionável, com uma filosofia e ações que coincidem com o que eu acredito, é incrível!

    Não sei para quem você escreveu esse post, mas valeu mesmo! Melhor post de todos os tempos aqui no blog da Luz!!!

    Grande abraço!

    FG

  2. Fala Felipe,

    Eu acho que escrevi esse post para mim! Estava com muitas saudades dele, assisti uma palestra quase que sem querer ai foi o final de semana inteiro relembrando. No final estava precisando compartilhar algumas das ideias!

    Pamella, estimulante mesmo 🙂

    Abs,

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário
Por favor, digite seu nome