O Supermercado mais Inovador do Mundo

4
3039
The Peoples Supermarket - Supermercado inovador

Quando pensamos inovação, logo surge a idéia de algo high tech, internet, tablets, checkout no smartphone e demais coisas hypadas do nosso dia a dia com nomes gringos. Um recente artigo da Mashable mostrou as tendências de modernização dos supermercados com localizador de produto no tablet, carrinhos com jogos eletrônicos para crianças e outros.

Supermercado inovador

O tempo tem me provado que, embora essas coisas sejam bonitinhas, nada mais são do que maquiagem. O verdadeiro valor muitas vezes não esta em como você entrega, mas sim no que você se propõe a ser. Embora o Mercadona seja um supermercado muito inovador na sua relação com fornecedores, acredito que há um ainda mais inovador: o People’s Supermarket, um mercado local que está gerando tanto rebuliço que acabou levando o primeiro ministro inglês, David Cameron, para ir lá aprender umas lições.

people supermarket

Quando penso em supermercado, sempre me vem aquela idéia de concorrência pesada, de briga por preço, funcionário que ganha mal e rouba o dono, cliente que finge que escorregou para processar o estabelecimento e demais coisas antiquadas e bélicas, certo?

Hoje vou lhe apresentar o Peoples Supermarket, um supermercado que cobra menos do que o Wallmart, mas faz isso de uma maneira incrivelmente moderna e com baixo risco e investimento! Se você acompanha o blog da LUZ e/ou não fica apenas vendo novela, e repara o que está acontecendo à sua volta, você sabe: o mundo esta mudando, e muito. Nessa mudança, diversas verdades estão sendo questionadas. Cliente? Funcionário? Fornecedor? Será que essas figuras são sempre necessárias? O People’s mostra que não necessariamente!

Como funciona o peoples supermarket?

É quase uma ofensa chama-los de um supermercado. Acima de tudo, eles são, na minha opinião, a esperança de um mundo melhor. Eles são uma cooperativa que visa entregar produtos locais de qualidade a um preço justo para o produtor e consumidor inspirado na Food Coop, de Brooklyn. Lá você consumirá apenas produtos feitos por pequenos agricultores locais (equilibrando e geração de renda, fortalecendo a economia local, oferecendo produtos mais saudáveis para seu clientes e economizando o meio ambiente no transporte), promovem uma série de iniciativas para reduzir desperdício (compostando orgânicos que passaram da validade, por ex) e compram energia e outros inputs limpos.

Mas isso aí é, digamos assim, “o básico” no que tange uma empresa do século XXI. Eles vão muito além e foi justamente na parte mais crítica da empresa, o “””RH””” (entre muitas aspas mesmo), que eles simplesmente fizeram meu queixo cair. Lá, você paga 25 libras por ano para ser um associado e trabalha 4 horas por mês lá. Com isso você garante 20% de desconto.

O que isso gera?

a. Os seus “funcionários” são sempre os mesmos: pessoas que moram no bairro, interessadas em manter o local limpo e preservado tanto quando estão comprando quanto trabalhando.

b. Sua estrutura de custos é reduzida absurdamente, inclusive gerando alguma receita devido à taxa anual.

c. Você cria um censo de pertencimento muito grande, fortalecendo os laços comunitários e dando um significado maior a uma tarefa que, hoje, é quase que puramente processual e commoditizada.

d. Há pouco tempo atrás o supermercado estava devendo dinheiro e, numa mobilização rápida, conseguiu o investimento necessário do público local, e sem necessidade de retorna-lo! Quer dinheiro mais barato? É puro engajamento de comunidade.

O criador do mercado, que também introduziu a regra de que quem escolhe o que será vendido são os próprios clientes/funcionários, diz que comida é necessidade, não commodity, que achar que a vida, principalmente no que tange alimentação, é tão fast assim é uma tolice. Temos, segundo ele, que ressignificar a forma como tratamos a comida, a começar por repensar de onde consumimos e quanto valorizamos o trabalho bom feito por bons produtores, não apenas indústrias agrícolas que produzem nas toneladas com custo para o seu consumidor, funcionário e a própria terra.

O que você ganha com isso?

É o que sempre me perguntam quando conto esse caso. Essa mesma pergunta foi feita por um jornalista inglês a um professor de psicologia que é cliente-voluntário do supermercado. “Rotina e ritual. É o que você ganha com religião e também o que ganha com voluntariado.” Se você parou para fazer a conta se vale ou não a pena financeiramente você parar 1 hora por semana para trabalhar num supermercado para ganhar o desconto, você não entendeu bem a jogada aqui. O valor não é financeiro. O valor é o das pessoas se apoderarem de suas vidas, escolhendo o que consumirão, por que consumirão, de quem consumirão, o valor é o produtor ter maior estabilidade no seu futuro e ganhar mais dinheiro, o valor é criar um lugar onde todos tem o interesse de o manter o mais limpo e agradável o possível. Daí o por que dele ser o supermercado mais inovador do mundo. Sem tablets, sim, mas se propondo a ser uma nova forma de “fazer negócios” e ter acesso a comida.

Obs: algumas referências para quem quiser ler mais, infelizmente a maioria em inglês:

http://en.wikipedia.org/wiki/The_People’s_Supermarket
http://www.guardian.co.uk/theguardian/2012/mar/02/london-peoples-supermarket-cooperatives
http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/people-supermarket-mercado-comunitario-negocios-vidasimples-618917.shtml
http://super.abril.com.br/blogs/ideias-verdes/tag/the-peoples-supermarket/
http://www.independent.co.uk/news/uk/home-news/peoples-supermarket-revolution-spreads-2360512.html
http://www.telegraph.co.uk/foodanddrink/7779395/The-Peoples-Supermarket-communal-cheap-and-democratic.html

Abraços e até!

4 COMENTÁRIOS

  1. Oi Guilherme, você conhece o caso da REde Ecológica, aqui do Rio? Eles têm buscado fazer algo parecido, porém sem uma estrutura física e valorizando produtos regionais brasileiros. Acho que vlae conhecer. Abs, feliz 2013.

  2. Oi Elizete, bem lembrado! Conheço a Rede Ecológica sim, é realmente muito legal e alguns amigos fazem parte.

    Estou me organizando aqui para entrar em breve também! 🙂

    Obrigado pelo comentário e um ótimo ano para você!

    Bjs,

  3. Olá Guilherme, isso lembra muito dois livros: Cultura de Participação de Clay Shirky, e o começo de Outliers onde fala da cidade de Roseto, onde as pessoas viviam mais porque conversam mais e trabalhavam mais juntas.
    Esse supermercado está criando uma cidade/bairro Outlier!
    Achei o máximo!

  4. Oi Fernanda,

    Tudo bem? Obrigado pela contribuição! Olha o Outliers já me foi recomendado por N pessoas muito antenadas. Preciso dar uma olhada nisso… Googlei esse Clay Shirky e encontrei muita coisa legal! Principalmente relacionada à SOPA. Bom, agradeço as referências, vou estuda-las!

    Beijos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário
Por favor, digite seu nome