5 negócios sociais brasileiros realmente inspiradores!

0
14243

Já foi o tempo em que você precisava ter uma organização sem fins lucrativos para trabalhar com propósito social. Hoje, a gente já sabe que diversas iniciativas podem escolher fazer o bem e ganhar dinheiro ao mesmo tempo. Os negócios sociais (setor dois e meio) surgiram como uma excelente alternativa para empreendedores que desejam gerar impacto social e ter receitas, mas que não querem depender de nenhum tipo de filantropia para isso.

O negócio social tem como principal objetivo gerar impacto social aliado a um modelo de negócios sustentável (ou seja, que não depende de doações, só dele mesmo!). É isso mesmo, não estamos falando de ficar implorando por ajuda e achar que tudo cai do céu. Essa é uma galera batalhadora, que se preocupa em fazer acontecer, mas sem se esquecer da incluir da base da pirâmide (classes C,D e E) nesse processo.

Além disso, temos visto várias iniciativas no mundo inteiro. Gosto muito da Aravind, que possui um atendimento oftalmológico de qualidade a preços acessíveis e da Embrace, que produz uma manta para bebês prematuros e é uma ótima alternativa para as incubadoras de bebês muito caras. Aqui no Brasil (apesar de ser um movimento recente) não é diferente, já temos alguns ótimos exemplos que nos inspiram cada vez mais a fazer o bem e desenvolver a comunidade!

Mulher Indiana sendo analisada por um oftalmologista da Aravind Eye Care System - LUZ Loja de Consultoria
Mulher Indiana sendo analisada por um oftalmologista da Aravind Eye Care System
Bebê prematuro envolto em manta aquecedora da Embrace Global

Vamos dar uma olhada nos ótimos casos que temos por aqui?

1.       Solidarium

Eles são demais! Admiro muito o trabalho deles. Com o propósito de desenvolver canais de comercialização inovadores para produtores em situação de pobreza, a Solidarium tem feito a diferença para muito gente.

Desde que começaram o negócio, esse grupo de ex-empresários juniores, passaram por diversas mudanças para chegar ao patamar em que estão hoje. Nos últimos 4 anos já foram mais de 1600 produtores locais beneficiados.

2.       Rede Tekoha

Seguindo uma linha parecida com a da Solidarium, a rede Tekoha nasceu com o objetivo de combater a pobreza pela geração de renda para comunidades. Basicamente eles comercializam os produtos artesanais criados por comunidades e cooperativas de todo o Brasil.

Uma boa dica que posso dar é o blog do Henrique Bussacos, fundador da rede, que sempre coloca conteúdo interessante sobre o tema por lá.

3.       Banco Pérola

Indo para outro setor, não menos nobre dos que já citamos, temos o Banco Pérola. Normalmente quando ouvimos a palavra banco a gente já tem calafrios. O que vem a nossa mente são longas filas, juros absurdamente altos e instituições extremamente gananciosas. Felizmente, temos alguns exemplos que vão contra esse canibalismo econômico que vivenciamos hoje.

Ao contrário do que vemos os bancos tradicionais fazerem, o Banco Pérola tem foco no desenvolvimento social e oferece acesso a crédito para jovens empreendedores entre 18 e 35 anos. Só em 2010 foram mais de R$40.000 em empréstimos. Hoje, a área de atuação se resume a Sorocaba, imagina se fosse para todo o Brasil?

Nessa mesma linha vale a pena conhecer o Grameen Bank (fundado pelo Nobel da paz de 2006, Muhammad Yunus), primeiro banco de microcrédito do mundo, que inclusive inspirou a Alessandra França a abrir o Pérola.

4.       Bemfeitoria

 

Existem várias plataformas de financiamento colaborativo no Brasil que trabalham com negócios sociais. Em atividade, um bom caso é a Benfeitoria, que apesar de não ser exclusiva para negócios sociais, já fez trabalhos muito maneiros, como o financiamento para a Aurie (vale a pena conferir).

5.       Papel Pinel

Para finalizar, vamos falar um pouco mais de inclusão? Quando eu conheci a Esther e o Papel Pinel, fiquei encantado com essa fábrica terapêutica que trabalha vendendo produtos feitos a partir de papel reciclado e fazendo um trabalho de terapia ocupacional para os pacientes do Instituto Psiquiátrico Philippe Pinel. É isso! Oportunidade para todos, independentemente de uma pré condição. Todos somos capazes de contribuir e realizar um bom trabalho para a sociedade.

E o que todos esse negócios possuem em comum?

Toda essa galera que listamos aqui estão fazendo o possível e impossível para mudar a nossa realidade para melhor e, nesse processo, estão ganhando dinheiro com isso. Mais uma vez, vale a pena destacar que a gente não está falando de caridade. Estamos falando de negócios! É lógico que fazer o bem é irado e faz muito bem, mas isso fica muito melhor quando passa a ser nossa maneira de viver e não apenas um hobby.

Eu sou apaixonado pelo que essas pessoas estão construindo! É muito legal ver gente que escolhe o empreendedorismo social como meio de vida e  conseguem mandar bem! É sensacional, realmente inspirador.

Se você gostou desse post ou curte negócios sociais, não fica parado não, compartilha com os seus amigos! Se concordou ou discordou do que foi falado, não deixe de comentar, criticar e deixar sua opinião aqui. Ainda em tempo, parabéns para todos esses empreendedores!