5 dicas e 1 lei para Empreendedores de primeira viagem

14
773

Empreender está na moda. Se antes era bonito chegar numa festa e falar para os amigos que você trabalha num banco, agora é muito mais “irado” chegar falando “sou sócio de uma empresa chamada X”, mesmo que ninguém saiba que X é esse (e que você não fature nem um tostão!).

Que bom!!! Nosso queridíssimo Daniel Pereira defende que o empreendedorismo é inevitável e eu concordo com ele! Tudo bem, nem todo mundo nasceu para isso, mas quem se deixa levar e sente o gostinho não volta jamais! Ninguém aguenta mais 2, 3 horas de trânsito, um chefe retrógrado, hora pra chegar, hora pra sair, uma empresa pouco dinâmica, não decidir o que vai fazer, quando vai fazer e, mais importante POR QUE vai fazer.

Por lidar no dia a dia com centenas de empreendedores e ver muito do que dá certo e errado, meus amigos acabam me chamando para “tomar chopps” (consultorias gratuitas) quase toda semana quando estão prestes a chutar o balde. Após 200 destes, fora o surgimento de uma barriguinha, também reparei que dia após dia eu dava as mesmas dicas e alertava sobre os mesmos assuntos. O primeiro livro da LUZ surgiu assim, de dicas que sempre dávamos a clientes nas reuniões. Hoje resolvi fazer um post justamente para os candidatos a empreendedores. Portanto se seu filho/amigo/namorado/pai/cachorro quer empreender, esse post foi feito para ele!

Obs: da dica 1 à 5 não há mais ou menos importante, afinal estão todas interligadas, mas a lei reina sobre todas as outras. Sugiro que você realmente a leve a sério.

Lei do empreendedor: Primeiro quem, depois o que

Primeiro quem depois o que

Cansamos de ver empreendedores que se encontram num evento/bar/churrasco/faculdade, juntam-se numa dinâmica, acabam mirabolando uma ideia legal e…. se tornam sócios! PERAÊ AMIGO!!!!!

Perae, perae, perae, tá pensando o que?!?!?!

Você vai casar com um/a garoto/a no dia que o conheceu? Tornar-se sócio é muito mais sério do que casar e nós levamos como se fosse uma simples burocracia. Empreendedor, quanto você conhece dos seus sócios? O que eles querem da vida? O que eles querem dessa empresa? O que eles querem de você? Quantas brigas você já teve com essa pessoa? Você conhece a família dela? Sabe de onde ela veio? Sugiro que você decida com quem empreenderá antes, depois decida o que vai fazer, não o oposto!

Dica 1: Não acredite no que você aprendeu até hoje

Empreendedor de primeira viagem - LUZ Geração Empreendedora

Aprendemos na escola que há respostas certas, que todas as informações são dadas para que possamos tomar decisões inteligentes, que tudo está sob nosso controle, é só estudar, estudar e estudar que tudo vai dar certo, certo?

Pois bem, isso não tem nada a ver com empreender. Qualquer decisão importante que você tomar será F*** (desculpem, era realmente necessário) porque a gente não tem nem 1% dos dados que gostaria para decidir. Estudar é legal, mas nada substitui a prática e RARAMENTE tudo é decidido em um dia só (o da prova). No empreendedorismo não há estudar um dia antes da prova, levar cola e se dar bem. É tijolo a tijolo, dia após dia. Portanto esqueça esse blá blá blá determinístico e cartesiano de escolas. Graças a Deus empreender é muito mais legal que isso.

Dica 2: Tudo o que você planejou vai dar errado.

Planejamentos dão errado

Essa é a mais chata de dar, porque a gente olha o (futuro) empreendedor cheio de brilho nos olhos falando de sua ideia genial, de como tudo vai dar certo, de como os contatos dele ajudarão e o mercado no qual ele vai entrar está crescendo, e como seus concorrentes não existem ou são amadores, etc.

Amigo, não tem vida fácil. Quer moleza? Vai roubar. Sim, eu acredito que você é muito inteligente, sim acredito que sua experiência no setor que você quer entrar, que é maior que a minha, vai ajudar, agora entenda que TUDO o que você está falando muito provavelmente vai dar errado. O que não quer dizer que sua ideia é ruim ou que sua empresa vá à falência.

Dica 3: Falhe rápido, falhe cedo

Falhe cedo

Você deve estar reparando, isso tudo é uma cascata né? Você acha que há resposta certa e que estudar e ter ideias mirabolantes será bom para você, aí você planeja e faz projeções futurísticas lindas (afinal quem projeta que sua própria empresa vai à falência?!), o que gera o efeito “não fale mal do meu filho”, e aí, é claro, para seu plano perfeito dar certo é necessário muita preparação, investimento, pesquisas, estudos e etc…. Aí, é claro, você está errado de novo. Hoje não vou botar termos técnicos, porque o negócio aqui é mais filosófico e conceitual, mas acredite em mim, querido empreendedor, há muita gente boa por aí mostrando como fazer seu negócio dar certo ao planejar pouco e testar mais! Empreender nada mais é do que uma série de testes.

Dica 4: Velocidade é uma variável importante

Velocidade empreendedora

Sua maior, e uma das poucas, vantagens sobre empresas já estabelecidas no mercado é que você á uma lanchinha. Você troca de direção rápido, liga e desliga, vem, vai, volta, e corre (ou deveria correr)… muito.

Use a velocidade ao seu favor. Empreendedores trabalham por horas, no máximo dias, não meses ou anos. Está pensando onde sua empresa estará em um ano? Você está perdendo tempo, que é o que há de mais raro! Para de filosofia, tudo está fora do seu controle. Trabalhe com velocidade e veja o que o feedback do mercado te dirá

Dica 5: Ouvir tudo o que seu cliente tem a dizer é comprar uma passagem para a falência

Assinar Contrato - LUZ Geração Empreendedora

Cá entre nós, seu cliente não quer o seu bem, quer o bem dele, concorda? Isso não quer dizer que ele é o bicho papão, nem que você deve, portanto, só querer o seu bem. É só uma realidade. Outra realidade: o seu cliente não sabe o que é bom para você (e muitas vezes não sabe o que é bom para ele!). Escrevi um post sobre isso há um tempo, mas se você está com preguiça de ler, aqui vem o resumo: entenda o que é modelo de negócios, entenda como o seu funciona e foque nele! Naturalmente você dará a atenção correta ao seu cliente.

E aí curtiu? Conhece alguém que precisa dessas dicas? Comente, compartilhe! De novos em novos empreendedores criaremos um mundo radicalmente melhor! 🙂

14 COMENTÁRIOS

  1. Oi Guilherme,

    Foi muito inspirado novamente!
    Também tenho encontrado Clientes que se entusiasmam, criam negócio com um amigão e, depois de pouco tempo tem mais um problema para administrar (e um amigo a menos!).
    As dicas também são ótimas e as ilustrações são mesmo muito engraçadas (e didáticas). Abração,
    Luiz

  2. Muito bom Guilherme.
    Parece que vc escreveu a nossa conversa, realmente é isso o que ocorre, só acho que faltou uma dica, a de blindagem contra o negativistas que estão a nossa volta, que sempre focam no que talvez possa dar errado nunca vendo os 90% de chance de dar certo, geralmente estes são empreendedores frustrados.
    Grande abraço,
    Sharlie Oliveira.

  3. Fala Luiz!! Pois é, hahaha gostei do que você falou: um problema para administrar na empresa e um amigo a menos.

    Cabe a nós alertarmos!

    Abs,

  4. Oi Francisco,

    Obrigado! 🙂

    Sharlie, ótimo comentário, de fato não falei sobre os negativistas. Isso por 2 motivos: (1) não sei se é um ponto que deve encabeçar a lista dessa forma, até porque empreendedor que é empreendedor gosta de provar que os negativistas estão errados, portanto eles quase que servem como motivação e (2) é meio perigoso escrever isso aqui, pois muitos empreendedores desenvolvem produtos que realmente não fazem sentido, e aí uma crítica sensata pode ser considerada uma atitude negativista de alguém e ignorada. O equilíbrio entre “meus amigos estão querendo me botar para baixo” com “meus amigos estão me dando boas dicas” é tênue!

    Abs,

  5. Olá Guilherme adorei seu post e sou uma candidata a futura empreendedora, porém tenho sérias dúvidas em quê mercado entrar, o quê abrir… Suas dicas parecem terem sido escritas pra mim! Mas ainda tenho mts dúvidas… me arrisco em franquias, abro o próprio negócio… enfim, td o que muitos devem passar antes de tomar a decisão (certa ou não).
    Vc teria alguma dica pra dar uma luz e me direcionar por algum caminho? Devo tomar essa decisão inicialmente pelo capital que tenho pra investir? Seria correto eu largar meu emprego para me dedicar integralmente ao novo negócio? Tenho infinitas dúvidas que gostaria de dividir com você e aproveitar a sua experiência para me dar direção.
    Ahhh, curti muito e compartilhei!
    Obrigada!

  6. Oi Michele,

    Boa tarde! Obrigado pelo comentário. Antes de começar a responder vale dizer que a resposta para você é diferente da resposta para qualquer outra pessoa, portanto seria leviano da minha parte recomendar concretamente qualquer coisa. Farei, portanto, um overview meio genérico e peço que não utilize isso como “os 10 mandamentos”, mas sim como pontos a serem refletidos, ok? Vamos lá!

    1. Fico feliz que você esteja pensando em empreender. É difícil, é desafiador, mas (justamente por isso) é muuuuito prazeroso!!
    2. O assunto franquias Vs. negócio próprio é vasto. Geralmente o investimento inicial para franquia é alto. Ideologicamente, na minha opinião, perde-se muito do prazer de empreender com franquias, já que você perde controle do leme do barco. Suas campanhas, promoções, seleção e treinamento de funcionários e outros serão muito “facilitados”, mas você deixará de concebe-los. Eu ADORO pensar em como divulgar uma vaga na LUZ, o que fazer com nossa marca, qual a nossa missão, como se comunicar e etc. Com franquia boa parte desse romantismo vai embora. Há, porém, uma marca que já é estabelecida, os treinamentos vem mastigados, e etc.
    3. O capital que você tem para investir não é o direcionador da sua decisão, mas um balizador. Se você quer abrir uma franquia e tem que investir R$500.000,00 para montar a loja e não tem esse dinheiro, acho arriscado você ir ao banco levantar essa grana. Mas também acho que separar uma grana para investir no seu negócio é partir da premissa errada. Tipo, “vou gastar R$30.000” abrindo meu negócio. Não é assim! Até porque muitas vezes você pode “abrir” seu negócio (leia-se testar minimamente se o negócio vai dar certo) sem gastar um tostão.
    4. Largar emprego ou não largar emprego, eis a questão! A LUZ foi aberta enquanto o Daniel ainda trabalhava numa grande empresa, mas era possível conciliar os dois e quando ele se sentiu seguro o bastante, chutou o balde. Reconheço, porém, que dependendo da natureza do negócio isso é impossível. Se você vai tocar uma padaria e tem que estar lá às 4 da manhã para fazer o pão, 9 da manhã para atender os clientes do café e 5 da tarde quando o movimento também é forte, ficará difícil manter um emprego fixo, né? Mas e se seu emprego for “flexível” e você puder trabalhar de onde quiser e quando quiser? Por isso que disse lá em cima, depende muito de qual é seu emprego hoje e qual a natureza do seu negócio. Você tem sócios que podem segurar a onda no início? Muitas vezes vemos que alguns sócios entram 100% dedicados e outros aguardam a empresa chegar num determinado ponto (lucro, por exemplo), para largar seus respectivos empregos.

    Como não sei o que você sabe fazer, fica difícil sugerir algo, mas acredito que o importante é fazer algo que você gosta, tem talento para fazer, tem um propósito por trás e lhe trará dinheiro. Isso é o utópico, agora é saber equilibrar cada um desses fatores.

    Consegui responder?!

    Bjs,

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva o seu comentário
Por favor, digite seu nome